Os 6 passos de aprendizagem a considerar em treinamentos corporativos

Quando decidi me dedicar a educação profissional, após várias décadas atuando em plataformas de processamento de petróleo e gás, sabia que não seria fácil! Afinal já existem inúmeros players atuando nessa área. Mas cursos e treinamentos feitos por apenas cumprimento de normas ou legislação com metodologias e estruturas pedagógicas antigas sempre me incomodaram. Afinal, muito ainda poderia e deve ser melhorado para o engajamento dos alunos, colocando-os como stakeholders das empresas, afinal um não sobrevive sem o outro. Então comecei a me interessar por auxiliar nessa aproximação tão benéfica para todos.

Um programa de treinamento e desenvolvimento deve, ou pelo menos, deveria produzir resultados alinhados aos objetivos da empresa, assim como promover eficácia, transformando conhecimento e habilidades em aprendizado para mudança de comportamento no trabalho! O treinamento estruturado para mudança de comportamento e resultados organizacionais possui metodologias onde o aprendizado é relevante, melhora o desempenho e possibilita implementação na realidade operacional. O treinamento demonstra seu valor quando ao avaliar o pré e pós treinamento, este produza indicadores que favoreçam a maximização do aprendizado, e traduza eficácia nos resultados da organização.

Na visão empresarial, é de certa forma fácil de entender que o ROI (Return on Investment) através de resultados tangíveis, refletindo a prosperidade que precisa existir. O modelo de negócios que não contempla essa medição de performance está fadado ao insucesso. Ai, tanto as empresas quanto os funcionários sairão perdendo.

Para exemplificar a forma como fazer uma gestão adequada do sistema de treinamento, posso citar o método de Kirkpatrick, James D. “Os Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento, onde indica o índice ROE (Return on Expectation) como mais apropriado, a saber temos então:

1- Reação

… que mede o grau em que os participantes consideram o treinamento favorável, envolvente e relevante para seus empregos;

 2- Aprendizagem

… que mede o grau em que os participantes adquirem o conhecimento pretendido, habilidades, atitude, confiança e comprometimento com base em sua participação no Nível de treinamento 3;

3- Comportamento

… que mede o grau em que os participantes aplicam o que aprenderam durante o treinamento quando estão de volta ao trabalho;

4- Resultados

… que mede o grau em que os objetivos desejados ocorrem como resultado do treinamento e do pacote de suporte e responsabilidade, refletindo nos KPI´s da empresa.

O método de Kirkpatrick tem como meta ajudar as organizações a atingirem seus objetivos mais elevados por meio do crescimento lucrativo de produtos, programas e serviços de treinamento e começa sua utilização pelo quarto passo, os resultados. Essa organização, começando pelo quarto passo, garante que as metas dos negócios serão atingidas ao se utilizarem os mecanismos educacionais projetados e bem engajados.

Mas, basicamente precisamos ter em mente o que é a educação e em que ela ajuda as empresas, a sociedade e o seu ente principal, as pessoas. Esse último é o grande elo entre empresas e a sociedade. Não obstante ainda termos um grande gap educacional do Brasil em relação a alguns outros países com grandes centros de pesquisa e desenvolvimento, o nosso país tem grandes méritos reconhecidos internacionalmente. Temos, no Brasil como um todo, a tendência de aceitarmos bem diversas outras culturas, o que facilita o nosso intercâmbio e aprendizagem. Temos também a mente aberta a novas formas de fazer e boa vontade para fazê-las. Assim o grande filósofo brasileiro Mario Sérgio Cortella pode resumir o caminho para uma boa educação em mais dois passos complementares:

5-“Não ser morno”

… isso significa querer deixar sua marca nas ações que se toma, não se resignando dizendo que “isso é assim mesmo e não tem nada que eu possa fazer”. Essa forma de agir não significa que vamos acertar sempre, mas que vamos lutar para buscar as melhores soluções “sempre”. Observando também que aquilo que é a melhor solução hoje, pode deixar de sê-lo em seguida, talvez hoje ainda. Então, precisamos estar atentos a todo momento. Aceitar os desafios da tecnologia e fazer desafios a ela. Afinal, ela, a tecnologia esteve, está e sempre estará a nosso favor. Desde a descoberta do fogo, que fez com que o ser humano sobrevivesse a extinção até as tecnologias de hoje em dia, elas estão lá para nos ajudar. E com a educação não é diferente.

6- Tendo humildade pedagógica

… desde o grande filosofo greco Sócrates com sua famosa citação de que “só sei que nada sei”, provocava-nos a pensar se realmente sabemos aquilo que pensamos saber o suficiente. Sim, pois aquilo que era suficiente ontem não o é mais hoje, e então o que fazer? Precisamos ter então humildade pedagógica de entendermos que sempre estaremos necessitados de desenvolver novas maneiras de tratar a educação e a sua importância para a sociedade.

Precisamos então, para orientar nossas ações, experimentar essas dúvidas para construir a ponte necessária entre o conhecimento e a sua real utilidade para todos os envolvidos nesse processo!

Referências:

1- https://resultadosdigitais.com.br/blog/o-que-e-roi-retorno-sobre-investimento/

Em 10/09/2020

2- https://learningpool.com/return-on-investment-vs-return-on-expectation-analysing-the-true-value-of-your-training/

Em 11/09/2020

3- https://pt.wikipedia.org/wiki/Indicador-chave_de_desempenho

Em 12/09/2020

4- Palestra de Mario Sergio Cortella. https://youtu.be/1Lvl_pG72Vk

Em 13/09/2020

 

Um Comentário

  • Petróleo Verde
    21 de novembro de 2020

    Really nice design and wonderful content , hardly anything else we want : D. Valli Enos Daniell

Escreva seu comentário